QUALIDADE E EXCELÊNCIA!

A PIMENTA MALAGUETA APROVA!

Os Jardins de Academus

“Os livros são o tesouro precioso do mundo e a digna herança das gerações e nações."

Henry David Thoreau

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

TRADIÇÕES DO NATAL: O PRESÉPIO









TRADIÇÕES DO NATAL: O PRESÉPIO
Devido ao Censo ordenado pelo Imperador Augusto, a família de Jesus teve que se deslocar para Belém da Judéia e,como era de se esperar,não encontrou acomodações dignas para Maria,grávida de nove meses.
Aflito,José os acomodou numa gruta ou cabana,fazendo uma caminha de palha para o Menino,nascido há pouco.
Este lugar, sem conforto,mas,limpo e seco,era onde se colocavam os animais para descanso e se chamava presépio,ou curral,ou  estábulo.
A primeira representação do presépio  ligado ao nascimento de Jesus,foi feita na Itália,no sec.XII,por São Francisco de Assis,em forma de teatro popular. Difundido por toda a Europa cristã ,no sec.XVI,teve,em Portugal,o seu ápice,com as autarquias bancando a festa,como na Vila  Nova de Famalicão,cujo presépio era considerado o mais belo.
Dele constava a Sagrada Família, anjos ,animais,como a vaca e o burrinho,além de figuras portuguesas típicas como o moleiro e seu moinho,a lavadeira,os bailarinos,a mulher com o cântaro na cabeça,as figuras em barro,verdadeiras obras de arte.
No Brasil do sec. XVIII,os presépios eram parecidos com os portugueses;os pintores,encarnadores  de imagens,artistas populares,se esmeravam na confecção das figuras. Cidades,montes,rios,tudo era fabricado e formava o cenário propício à tão bela tradição.
As encomendas eram muitas e os ganhos, fartos.
Ganhadeiras, trazendo grandes tabuleiros à cabeça, apregoavam esses artefatos,chamando a atenção dos compradores balançando um chocalho de folha de flandres e cantarolando:
As barras do dia
Já vem clareando;
Que belo menino
Na Lapa,chorando.
Era a certeza que o Natal vinha chegando.
Igrejas, conventos e casas de família armavam seus presépios cada uma querendo ser melhor que o  outro,para isso não medindo esforços nem gastos.
O mais afamado presépio da época era o da Soledade, pela beleza das figuras,obra do grande escultor Bento Sabino dos Reis.
Nesta época,em Portugal e quiçá,na Bahia,o presépio era armado no Advento,porém,sem o menino,colocado na noite de 24 de dezembro,após a Missa do Galo.

Logo cedo, toda a família, escravos,agregados se mobilizavam para  a construção do presépio;os fâmulos saiam á busca das folhas de pitangueira,pinhas  e das frutas do Natal que colocavam sobre uma mesa,os galhos arqueados formando  arcadas,enfeitados de flores silvestres e pequenos frutos.
No interior da Lapa, formada,quase sempre de papel grosso pintado de tinta marrom,repousava o Menino,entre palhas,de um lado a Virgem,do outro,São José,os demais personagens,os pastores e os Reis Magos,em profunda adoração.

Pessoas embasbacadas abriam a boca de admiração: estava lá o monte escarpado, as águas cristalinas,correndo sinuosas,tendo ao fundo a cidade de Belém com suas torres,zimbórios e fortalezas;os três reis com seus criados;animais de carga.Diversas árvores e arbustos,animais de criação,pastores com oferendas,figuras portando túnicas de linho e sandálias.
No alto,céu de estrelinhas douradas,feitas de papelão e areia brilhante,nuvens de algodão.
Contempla o quadro divino
São José,ajoelhado,
E a Santíssima Maria
De Jericó, meiga flor.

As moças e matronas da família, além das visitas, cantavam:
Santo,santo,santo
Hoje é quem brilha
Salve  o Verbo Encarnado,
Deus e maravilha.
Depois, seguia-se a lauta ceia com muitas iguarias, o vinho do Porto,os frutos saborosos e carnudos,o roxo vinho Figueira,os licores,a doçaria;bebia-se à saúde da dona da casa e até ao Deus Menino. Depois, uma animada função,como se chamavam os bailes ,que se prolongavam até o amanhecer, pois, nesta noite feliz,ninguém dormia.
E a tradição continua. Em Recife ,o escritor Melquíades Montenegro tem uma coleção de mais de 700 presépios,coisa linda de se ver.





segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A FLIMAR E EU,UMA RELAÇÃO DE MUITO AMOR.

                                   


 A FLIMAR E  EU ,UMA RELAÇÃO DE MUITO AMOR
Quando cheguei á Flimar,em 2010 era apenas uma escritora em começo de carreira.Fui ,por minha conta e risco sem lenço,nem documento,nem convite.Cheguei,vi e gostei.Conheci o Carlito Lima e outras pessoas importantes que participavam da  festa:jornalistas,escritores,artistas e,principalmente,o povo alagoano,por quem fui recebida de braços abertos.A paisagem me encantou e jurei voltar mais vezes.A cidade de Marechal Deodoro tem tudo a ver comigo,com o que respeito e aprecio:tradição,casario antigo muito bem conservado,povo simples e amistoso ,uma orla lagunar,incrível.Que o prefeito Cristiano Mateus melhorou por demais.Quando voltei,mais uma vez,ano passado,fiquei deslumbrada.Muitas obras,uma cidade limpa e organizada,segura e tranquila.
A 2ª Flimar fui como convidada;estava,enfim,entre os grandes da Literatura,meus ídolos:Antonio Torres,Marina Colasanti,Ignácio de Loyola Brandão.Sou tiete de todos e bebia suas palavras.Aprendi por demais,pois é para isto que vamos á essas festas;para ver ,aprender e curtir.O  Mauricio Mello Jr. (TV Senado) e sua esposa Yara foi outro amigo conquistado; uma figura,o Maurício! Nunca o vi triste.Nem desanimado.
As palestras,no SESI e IFAL foram um caso á parte;adolescentes e adultos voltados para a aprendizagem, ouvindo-me com atenção e entusiasmo,escolas limpas e bem tratadas,professores gentis.
O primeiro mundo numa pequena cidade do interior de Alagoas;o Graciliano gostaria disto.Valeria um livro,Mestre Graça!
Pairando sobre tudo,o Capita,alma desta festa. Um Carlito Lima seria necessário em toda cidade  brasileira.Deveria fazer escola.Criar o carlitismo,onde se aprenderia a criar,organizar e manter festas literárias onde antes pareceria impossível.
Na 3ª Flimar,já estava em casa;feitos inúmeros amigos,louca para revê-los,adquirindo novos,como a Lizien,belíssima e inteligente,a Nana, da Biblioteca Nacional ,Carla Nobre e Chico de Assis e seus versos maravilhosos, duas figuras adoráveis e,sobretudo ,Ledo Ivo,inesquecível.Ofereci-lhe o “Bahia de Outrora”;recebeu com um sorriso e me deu um beijo na testa.Nos bastidores,perguntou ao Carlito,mostrando o exemplar : -Presta?
Deve ter gostado do livro e da  resposta,pois,um belo dia recebo muitos exemplares de livros da sua autoria,acompanhado de um convite para visitá-lo na ABL.Um pouco antes da sua partida para Órion –sim,tenho certeza que está em Órion,onde mais ficaria o poeta?!Os livros,com doces dedicatórias,eu os guardo com carinho na parte mais visitada da minha biblioteca.Um destaque especial para o Sarau na Casa do Marechal.Muitos bons poetas reunidos,um clima de alegria e pura poesia.
Ano passado,declamei um poema em homenagem ao meu marido,grande companheiro,que estava hospitalizado em Salvador. A pedido de Chico de Assis,repeti o feito no barquinho da Braskem,em plena lagoa Saiu até nas gazetas,vejam vocêsBem,chegamos á 4ª Flimar.Desta vez,em duas mesas e três palestras.As palestras são muito importantes para mim,rever esses meninos e meninas tão belos e interessados,falar para eles,mas,também ,escutá-los,participar dos seus sonhos e esperanças.Revivo e revigoro-me sobre os ares de Marechal.Para mim,a verdadeira fonte da juventude.
Longa vida á Flimar e a seus organizadores!




                    IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO E EU -2ª FLIMAR








AS PITANGUINHAS -2ª FLIMAR.AO MEU LADO A QUERIDA EDNA LOPES






segunda-feira, 13 de maio de 2013

Contos e Causos: NOSSA MÃE!

Contos e Causos: NOSSA MÃE!:                                          Nossa mãe! Não sei se vocês já repararam nos vários perfis  das mamães existentes nesse ...

Contos e Causos: NOSSA MÃE!

Contos e Causos: NOSSA MÃE!:                                          Nossa mãe! Não sei se vocês já repararam nos vários perfis  das mamães existentes nesse ...

domingo, 21 de abril de 2013

TUDO SOBRE PUBLICAÇÃO SOB DEMANDA:VANTAGENS E DESVANTAGENS



10 Desvantagens da publicação sob  demanda
Entre os posts mais populares e que geram um bom debate aqui no blog estão os com dicas e informações sobre o mercado editorial ou dicas para novos escritores, e hoje volto a tocar num assunto que pode ser bem polêmico, a publicação sob demanda, cada vez mais presente no cotidiano literário nacional. Nesta lista seleciono 10 desvantagens deste sistema:
                        Os livros da PIMED ,nas livrarias
1 - Preconceito: Acredito que este seja ainda um grande problema, pois os leitores tendem a geralmente desconfiar da qualidade dos livros editados sob  demanda. A maioria, na verdade, não quer dispensar os já  parcos recursos destinado a cultura em seu orçamento com apostas em obras desconhecidas. Isso acontece pelo fato de sim, muitas vezes ,termos péssimas obras editadas nesse sistema, ou até mesmo pela compreensão dos leitores (muitas vezes errônea) de que se o autor precisou pagar para publicar, ou então não chamou a atenção de uma grande editora, o livro não é bom. A verdade é que há duas verdades acontecem na publicação sob demanda, com de fato obras de qualidade duvidosa, mas da mesma forma promissores talentos que utilizam esta forma como porta de entrada para o meio editorial.*
*A Editora Pimenta Malagueta trabalha sob demanda,mas,não faz livros,faz Arte.Nossas publicações são primorosas e por aqui abrigamos talentos rebeldes que não querem se sujeitar á ditadura das grandes editoras.
                                 Nas feirihas de livros
; 2 - Distribuição: Este é um problema que os autores sentirão na pele de forma mais acintosa. Mesmo com uma grande evolução nos números de comercialização de livros pela internet (especialmente em grandes sites como Submarino e Saraiva) a maioria dos livros vendidos no Brasil, e de forma esmagadora se dá nas livrarias, onde as publicações sob  demanda tem grande dificuldade de entrar. E isso reflete de forma considerável na velocidade de venda.*
*Como a nossa é uma editora de uma  escritora ,não temos dificuldade em colocar os livros dos nossos autores.Aqui,ninguém encalha,porque o autor é orientado desde quando manda o arquivo para análise até quando vende o último exemplar daquela edição.Eu,Marivaldo Hora,Zé da Serra,Almira Reuter já estamos na 2ª edição dos livros publicados com nossa marca.

3 - Divulgação: Se há preconceito dos leitores, do mercado, não haveria de ser diferente com os meios de divulgação, e um livro publicado sob demanda conseguir uma nota em algum veículo de informação como jornais e tv só mesmo por milagre, até mesmo por que o espaço destinado à literatura geralmente é pequeno nos meios de comunicação, onde até mesmo as grandes casas editorias têm de brigar a tapa por uma nota ou uma resenha. Sobra então para a publicação sob demanda se apoiar em blogs, que a cada dia tem mais, e com péssimas qualidades, salvando 1 a cada 10, e olhe lá;*
*Pois nós conseguimos notas para nossos autores nos meios de divulgação e sem pagar nada por isso.Claro que não é no horário nobre da Globo,mesmo porque nem as grandes editoras estão lá.
               Na imprensa,Jornal de Guarujá

Nas redes sociais e nos jornais virtuais
                 Na Rede Globo,durante a FLICA
4 - Picaretagem: Se há grande demanda independente do setor que seja há espaço para picaretagem. E na literatura não seria diferente, e a cada dia crescem as reclamações de autores que pagaram para editar sob  demanda. O problema que hoje há muitas editoras neste sistema, e com as mais variadas formas, das que não cobram nada do autor, mas também não ajudam, as que cobram um valor justo, e as que inclusive praticam assalto a mão armada quando o autor não pesquisa bem na ânsia de ver sua obra publicada;*
*Claro e como existem.A página “editoras fajutas” no Face,está cheio delas.Daí,parte do cuidado do autor,do seu discernimento na escolha e dele ter sempre em mente:”O barato sai caro”Livro no Brasil não é barato,é ,mesmo,uma indecência.Cai em falsas promessas quem quer.Eu mesma,no início fui vítima de uma.
                        Na Bienal da Bahia,2009

5 - Custo: A diferença do custo de um exemplar impresso sob demanda e um em grande escala graças ao avanço tecnológico tem diminuído sistematicamente, mas ainda assim é mais caro publicar em poucas tiragens;*

*Isso,em qualquer editora,grande ou pequena\; as grandes nem querem fazer.Para o autor distribuir o seu livro tem que fazer,no mínimo,1000 exemplares.
Lançamento da Seleta Traços & Compassos:livros de arte de baixo custo

6 - Autor opta demais: Acredite, isto poderia ser uma vantagem já que em geral nos sistemas sob demanda os autores também investem na publicação isto os da maior liberdade de opinar e interferir nas demais etapas da publicação, o que poderia ser bom, mas que muitas vezes acaba prejudicando o desenvolvimento de outras questões do livro como capa e diagramação, onde o editor e os designer's é que teriam de ter esse controle maior;*
*Ih,tive alguns problemas com o esse.o autor pensa que livro é vestido que a costureira pode mexer toda hora para consertar uma manga.Isso atrasa o livro,irrita o editor,o diagramador ou capista ,some ou cobra duas vezes,um horror!Faça seu livro com calma,estude,leia,releia,tire ,acrescente,mas,quando enviar o arquivo,por favor,não mude nada.

                        Este é um problema...
7 - Retorno financeiro lento: Até é possível ter retorno financeiro com a venda de livros sob demanda, mas como por causa de um custo unitário mais elevado, o autor precisa trabalhar com uma margem de lucro quase irrisória o que acaba tornando mais lento a recompensa financeira do autor.*
*Discordo totalmente.Eu mesma vendo meus livros e ganho 100% dele.A livraria cobra 50%.o distribuidor,60% ,a editora só dá ao autor,de 2 a 8% do preço de capa;enfim,o autor,dono do talento,fica com as migalhas.

Livro de Marivaldo Hora,já na 2ª edição.Tudo vendido!

Divulgação na mídia

8 - Revisão: Recebo e muitas vezes compro ou troco livros nacionais em boa parte publicados sob demandas e de distintas editoras, e o problema mais recorrente que encontro são os excessivos erros de revisão. Até acredito que seja normal, já que em uma grande editora um original pode receber até 3 revisões, quanto em geral as editoras sob demanda contratam freelancers para uma única revisão. O problema é que isto ajuda a aumentar o preconceito, e ajuda a afastar leitores;*
*Livro cheio de erros é um problema,encontrado ,também,nas grandes.Estou lendo um livro de Gore Vidal,feito por uma dessas e os erros são tantos que chegam a comprometer o sentido da frase.Na Pimenta,isso pode ocorrer,claro,mas,estamos vigilantes e o livro passa por 3 revisões.
                        Zé da Serra,7000 livros vendidos

9 - Você precisar multiplicar-se: Normalmente o autor que publica sob demanda precisa se multiplicar por 10 para entender de marketing a técnicas de vendas para obter números positivos de forma mais rápida. Para quem publica sob demanda não se permite ser apenas autor;*
*Nisso,concordo,mas,deve ser assim.Se o autor não está disposto a mexer a bunda do sofá e fica esperando pelos outros estará sempre algemado.Ou então,venda para o governo,como acontece por aqui,onde livros horrendos são comprados para bibliotecas e lá ficam encaixotados até a primeira chuvarada.
                 ...mas, o autor trabalha seu livro.

10 - Demorar para formar um público leitor: Este pode ser talvez a grande desvantagem já que a edição só demanda é mais lenta e o autor precisara ter paciência e esperar pelo tempo até conquistar seu público leitor. E esta é uma parte que pode incomodar bastante principalmente para escritores que mais que um sonho, ou ganhar dinheiro, escrevem para compartilhar sua literatura como forma de expressão. Para autores assim o que mais desejam é possuir leitores, e de forma massificada; *
*Nem sempre. Para formar leitores o autor tem que estar com o público,seja nos projetos muito bons como o Fala Escritor,aqui em SSA,ou nas feiras literárias e bienais,eventos etc.Crie seu próprio evento,anuncie,convide os amigos.Dá trabalho,mas,você pensa que investir na Bolsa é diferente?Converse com um corretor.Livro é Bolsa,se você não gosta de risco,fique apenas nos blogs.

Miriam Sales,na Flica;todos os livros vendidos.O 8º autor que vendeu mais livros,segundo a livraria.
Adorei esse blog,por isso interagi com ele.Eu recomendo!

                      listasliterarias.blogspot.com.br

OBRAS PUBLICADAS,2012/2013


A Bahia de Outrora,3ª ed. "Vai Ficar Tudo Bem","Vida de Peão","Sonhos de Menina",Contos Apimentados,2ª ed. "Nas Asas da Gaivota","A Maldita Cachaça",1ª e 2ª ed.
Contos e Causos,2ª ed
O Fermento e o Tempo ,1ª e 2ª ed.

Seleta com vários autores





 Abre  a Boca,Calabar
A Bahia de Outrora,2ª ed.






domingo, 14 de abril de 2013

A FILHA DO PADEIRO GALEGO





A FILHA DO PADEIRO GALEGO

Chegou, finalmente,e já está á disposição do público na nossa Loja Virtual,o magnífico livro da escritora e artista plástica Amália Grimaldi,”A FILHA DO PADEIRO GALEGO”.
Escrito de forma clara e objetiva,com um leve toque de saudade, este livro memorialista interessa a todos,pois,trata das nossas raízes portuguesas e espanholas – galegas – das lutas dos nossos avoengos e da vitória conseguida numa terra estranha e por vezes,hostil.
Não é um livro didático,está muito longe disto,mas,trás informações importantes sobre nossa formação e cultura,de uma maneira lúdica e agradável de se ler.

            PEQUENO TEXTO PARA DEGUSTAÇÃO

Sefarad significa terra distante,como se diz em hebraico.Alusão á Península Ibérica.
“Paella” e xinxin de galinha.Arrotávamos o prazer de piqueniques nos relvados verdes,á, sombra dos coqueirais,lá do Bico de Ferro.Família e amigos faziam a roda da comilança...
Famílias galegas e portuguesas.na sua maioria donas de padaria e armazém.ergueram belas casas de veraneio na Pituba.A chegada do asfalto foi um fato comemorativo...



sexta-feira, 1 de março de 2013

A EDITORA PIMENTA MALAGUETA COMPLETA UM ANINHO!


                          NOSSOS  PRIMEIROS AUTORES

                                          PARABÉNS!



Em Março a Editora Pimenta  Malagueta completa um aninho.Como toda criança ,engatinhou,caiu e levantou  e,agora,está caminhando com passos firmes ,mas,cautelosos,consciente de que muitas   empresas, no Brasil ,não completam um ano de vida,uma editora pequena,sem padrinhos ou patrocínio e sem polpudos  contratos governamentais,chegar a um ano produzindo e trabalhando é uma grande vitória.
Seriedade e responsabilidade é nosso credo  .Respeito ao autor e preocupação com o destino da sua obra,nossa profissão de fé.
A diferença é que a nossa editora nasceu do desejo da escritora Miriam Sales fazer,ela mesma,a publicação de seus livros.Portanto,como autora iniciante e independente ,sofreu na pele as angústias de ver trabalhos rejeitados, carta circular,que as editoras têm prontas para enviar a autores,cujas obras ,sequer, examinaram,nãos sonoros,propostas indecorosas de editoras que,praticamente se apoderam do seu trabalho,tudo conspira para fazer o autor desanimar,desconfiar de seus méritos e divorciar-se dos seus sonhos.Além,do entrave financeiro,claro.Livro,no Brasil,é muito caro para se fazer e muito caro para se vender.O bolso do autor nem sempre é do tamanho das suas ilusões.
Se vocês repararem bem,grandes escritores brasileiros são funcionários públicos (Drummond,Vinicius,João Cabral etc) ou patrocinados por partidos políticos (Jorge Amado,no início da carreira,pelo Partido Comunista) ou têm outras profissões que lhe deem um suporte financeiro.
Meu primeiro livro,  A Bahia de Outrora,foi pago por meu marido,mecenas e incentivador.
Depois de pronto, trabalhei o livro,vendendo num corpo a corpo, e,então,pude partir para a 2ª edição.
“Sucesso só vem antes de trabalho no dicionário”.Mas,no caso do escritor isso é mais verdadeiro do que nunca.
Voltando á Pimenta Malagueta logo nos primeiros meses ,autores dos mais diversos pontos do país, nos confiaram seus arquivos,logo transformados em livros.Fizemos,no nosso primeiro ano de vida,15 livros,sem contar alguns autores que já estão na 2ª ou 3ª edição.
Participamos de festas literárias, Bienais e eventos outros sempre levando conosco os livros de nossos autores.Traçamos estratégias de vendas para alguns e ensinamos como enfrentar o público leitor.
Nada exigimos dos nossos autores,sequer temos contratos draconianos ou não que os mantenham presos.Se eles retornam é porque assim o querem.

Lançamento do livro "Nas Asas da Gaivota",na Galeria do Livro,Espaço Unibanco,2012

Criamos uma Antologia que foi um sucesso, a “Traços & Compassos” e em Abril lançaremos “Os 7 Pecados Capitais” que,certamente,seguirá o mesmo caminho.Cuidamos da diagramação e da capa,esta,de importância cabal para chamar a atenção para o livro;as nossas são personalizadas e  criadas pelos maiores designers do Brasil.
Continuaremos fazendo o que acreditamos. Minha editora é minha loucura.Quero transformar em realidade o sonho dos outros autores e,ao contrário do que manda o bom senso,enxergar gigantes onde só há moinhos.Eu os vejo porque procuro ir além da feição do escritor que me procura e ver a sua alma.Exibir ,publicamente, esta alma é o papel do editor.O leitor dirá quem terá sucesso ou não.Mas,pelo menos,essa pessoa não teve medo,arriscou e apostou em si mesmo.
E,nós,continuamos aqui para ajudar,orientar e encorajar esses futuros escritores.

Lançamento da Seleta "Traços & Compassos" na livraria LDM

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Os Sete Pecados Capitais : CONCLUSÃO

Os Sete Pecados Capitais : CONCLUSÃO:                                SELETA "OS 7 PECADOS CAPITAIS",FECHADA! Fechamos  nossa seleta no prazo estabelecido e - o que é melho...

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O JARDIM DA ESCRITORA ANA MEIRELES



DSC00542.JPG


Ana Meireles é Psicóloga formada pela UFPA, Campus Belém.  Cursou especialização na UNAMA (Universidade da Amazônia), escolhendo a interface da Psicologia com a Ciência do Direito – Psicologia Jurídica. Atualmente é Servidora Pública vinculada à Secretaria de Assistência Social (SEAS) na função de psicóloga em uma Instituição de Longa Permanência. Desde cedo escrever era um ato de grande prazer. Prazer que por longo tempo ficou adormecido até novamente ser despertado ardente como o calor de uma paixão. Paixão esta que fez a sua escrita ser um sentir sem compromisso, na visita sem hora da inspiração que ao chegar quer somente escutar o silêncio que moureja o jardim da alma.




De argamassa


De tijolos e cimento eram os versos que escrevia.
Uma construção de inversos,
empilhamento de palavras bem casadas.
Sem a beleza do efêmero,
no deslumbramento.
Hoje escrevo à margem do tempo
sem me convencer.
Escavo a massa no sereno do momento.
Formo a pasta que se tece ao vento.
Dou gosto ao trigo, verso sem constrangimento.
Faço essa alquimiação:
Ponho argamassa na alma.
Toco o fino tecido do pergaminho, e...
se na hora,
a inspiração chega e me devassa,
deixo que ela se vista de seda,
procure o seu caminho
e o meu corpo abrace.
                                                                          (AnaMeireles)
                                                                                    



O Rumo das Palavras
Não sei o rumo que as palavras tomam
escritas no branco de um papel
e depois dissecadas na leitura crua
de infinitos significados.
Nomes e conceitos buscando um berço
o enlevo da emoção
na razão que a mente escava
farejando os sentimentos
à forma de nexos e complexos
eixos neuróticos e nervosos
figuras paradoxais
vestes de “EUS”
entorpecidos e obtusos
da alma sem cantil
para ler e beber. 
Não sei o rumo que as palavras tomam
nos seus sentidos devanescentes
às vezes beligerantes e metamorfoseantes.
Alquimias intrigantes que à fina compreensão escapa.
Leitura oca da palavra frouxa
que ameaça o espírito da escrita louca. 
Não sei o rumo que as palavras tomam
sem enredo num pergaminho;
correndo soltas como ingênuas moças
desnaturadas na interpretação.
É uma sina triste e tosca
ficar prisioneira na interrogação? 
                                                                         Ana Meireles


 
ANA MEIRELES,POETA  PARAENSE,SENSÍVEL E HUMANA ,SEU TRABALHO AJUDOU A ABRILHANTAR NOSSA SELETA.


domingo, 13 de janeiro de 2013

NÓS NA MÍDIA







Organizado por Miriam de Sales, o livro "Traços e Compassos" contém textos de autores do Brasil inteiro, faz homenagem aArthur de Sales e foi prefaciado por Lúcia Helena Ales de Sá, professora da Universidade de Brasília e presidente da Casa Agostinho Silva.
Os escritores participantes são os poetas Valdeck Almeida de Jesus, Ana Bailune, Cézar Ubaldo, Malú Ferreira, Sandra Canassa, Marcos Vieira, Amália Grimaldi e Geraldo Ribeiro; os contistas Elenilson Nascimento, Araken Vaz Galvão, Alfredo Lima Neto, Jacira Fagundes, Luciano Marinho, Dinarte Portela, José Cláudio Adão, Morgana Gazel e Aurélio Schommer; os cronistas Geraldo Ribeiro, Moacir Saraiva, Carlito Lima, Ana Meireles, Ana Cristina Rocha e Almir Tosta.
 LIVROS COLETIVOS – Segundo a organizadora Miriam, com o alto custo do livro no Brasil, a melhor forma de começar é mesmo esse compartilhamento com outros autores, onde cada um paga uma cota, tem direito a certo número de páginas e recebe uma quantidade de exemplares, se torna conhecido, inclusive dos editores e começa com o pé direito a sua carreira literária. Para Valdeck Almeida de Jesus “As antologias são importantes porque pulverizam os autores por vários lugares ao mesmo tempo. Uma andorinha só não faz verão, como expressa o dito popular. Então, várias andorinhas voando em revoada, conseguem fazer verões, invernos, outonos e primaveras. Uma verdadeira revolução.” Para o jornalista, que também organiza um concurso literário gratuito desde 2005, com apoio no Plano Nacional do Livro e Leitura, “não basta figurar numa antologia, precisa ser uma antologia séria, organizada por quem deseja não apenas colher os mirrados frutos monetários de cada autor mas, primeiramente, ter o compromisso com a literatura, com a arte, com a cultura”.
 Valdeck afirma, ainda, que a característica do trabalho realizado por Miriam de Sales, é primar pela qualidade dos textos e projeto gráfico do livro, além de carregar nas costas, literalmente, cada livro, divulgando seus autores e conteúdos pelas feiras, praças, becos, vielas, seja em eventos realizados numa esquina, seja num simpósio internacional”
Mesmo com vários livros publicados e uma longa carreira, Miriam de Sales participa de antologias e resolveu fundar a Editora Pimenta Malagueta, que lança sua primeira seleta, cujo espaço estará aberto para os melhores autores, sejam eles iniciantes ou veteranos, contistas, cronistas ou poetas.


Elenilson Nascimento,escritor
http://literaturaclandestina.blogspot.com.br/







Foto do lançamento na Livraria LDM,19/12
Pimenta Malagueta Editora, coordenada pela escritoraMiriam de Sales Oliveira, realizou no dia 19/12, na livraria LDM, no Espaço Itaú de Cinema – Praça Castro Alves, Salvador (BA), o lançamento da sua primeira seleta, cujo título foi "Traços & Compassos". A obra reúne 24 autores de todo Brasil, entre poetas, contistas, historiadores, romancistas e jornalistas, que na opinião da organizadora, representam o que há de melhor na nova literatura brasileira. O livro homenageia Artur de Sales (1879 – 1952), um dos mais importantes poetas baianos.
Na visão de Miriam de Sales, para o leitor e o estudante, ter ao alcance dos seus olhos um pequeno fragmento do processo literário do seu país, amostra de uma época ou período, é uma experiência magnífica e uma inesgotável fonte de conhecimento.“Criar uma Seleta sempre esteve nos nossos planos. Afinal, desde Meléagro di Gádara, criador da primeira Antologia, a ideia de reunir talentos literários num único livro, sempre foi benéfica e inovadora”, justifica.
Uma coletânea, seleta ou antologia pode ser multifacetada como a "Traços & Compassos", reunindo poetas, cronistas e contistas, como pode ser apenas um compêndio de um gênero ou escola literária escolhida. Pode ser temática, ou por período. Todas são importantes e bem vindas. Os autores da primeira antologia da Pimenta Malagueta se propõem a oferecer o melhor de si, visando se mostrar ao mundo numa roupagem colorida de ideias, frases, textos e poemas que aquecem a alma e fazem pensar. “Queremos um livro que faça história. Demos a ele uma feição clássica, como nos tempos gregos, berço das antologias”, antecipa à editora e organizadora Miriam de Sales, que também assina a apresentação.
O prefácio foi escrito pela professora Lúcia Helena Alves de Sá, coordenadora da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação da Secretaria de Estado do Governo do Distrito Federal e Doutoranda em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília
Autores - Ana Bailune, Amália Grimaldi, Ana Meireles, Ana Cristina Rocha, Almir Tosta, Arakén Vaz Galvão, Alfredo Lima Neto,Aurélio Schommer, Carlito Lima, Carlos Souza, Cezar Ubaldo, Dinarte Portela, Elenilson Nascimento, Geraldo Ribeiro, Jacira Fagundes, José Cláudio Adão, Luciano Marinho, Malu Ferreira, Marcos Vieira, Marina Gentile, Morgana Gazel, Moacir Saraiva, Sandra Canassa e Valdeck Almeida de Jesus.
fonte: Folha do Reconcâvo